sic@riodoce.mg.gov.br
(31) 3883-5235 / 3883-5242 / 3883-5438 
6d109d7c3c88dcf7fe2def8570181466.jpg

Educação tem dois aspectos: o primeiro está relacionado com a aquisição de conhecimentos mundanos ou seculares, e o segundo com os valores humanos. A palavra “Educare” significa deixar sair o que está dentro: os valores humanos são inatos e, mais do que serem aprendidos, devem ser compreendidos. É pela ausência desses valores que as pessoas “educadas” estão imersas na preocupação e na ansiedade. Desenvolver o caráter junto com a aquisição de conhecimentos. Em linhas gerais, o desenvolvimento do caráter se baseia na harmonia e coerência entre pensamento, palavra e ação e na prática ativa dos valores da paz, amor, verdade, retidão e não violência. Isto vale tanto para os alunos como para os professores, os quais devem ser os primeiros em levar vidas exemplares praticando os valores: “Primeiro sejam, depois façam, logo ensinem”. O ser humano verdadeiramente educado é amoroso.

Avanços na Educação

Reformulação e melhoria do quadro administrativo/pedagógico com contratação de especialistas para atuarem diretamente nas escolas: Pedagoga, Fonoaudióloga, Nutricionista, Psicóloga.
Além destes, todos os alunos são atendidos por médicos, dentistas e demais especialistas conveniados com a Secretaria Municipal de Saúde.

Formação continuada de professores através de cursos, congressos, além dos cursos de graduação à distância e∕ou presencial (alguns destes cursos pagos pela Prefeitura em convênio com universidades federais, por exemplo a Universidade Federal de Ouro Preto-UFOP).

Nucleação de escolas

No início de 2006, todos os alunos das escolas situadas na zona rural (São José de Entre Montes, Santana do Deserto, Jorge, Matadouro) vieram estudar no centro urbano, com transporte, facilidade de acesso aos computadores, internet, esportes, aula de música (banda), além de uma melhor socialização e entrosamento com outras crianças.
Pesquisas feitas com alunos da escola estadual, 6º ano, (antiga 5ª série) no ano seguinte a nucleação, comprovaram uma melhor adequação dos alunos às séries finais do ensino fundamental e o índice de evasão baixou muito. Antes, quando os alunos só vinham estudar na cidade a partir da 5ª série, demoravam muito a se adaptar na cidade e o índice de repetência e evasão era alto.
Alunos com uma equipe interdisciplinar para atendimento em horário integral: em um turno estão em sala de aula no ensino regular, e no outro turno têm atendimento em aulas de recuperação paralela, informática, professores para atendimento em pesquisas escolares e dúvidas nas tarefas de casa, além dos projetos de música (com a Banda Santo Antonio); “Segundo tempo” numa parceria com o governo Federal, voltado para atividades esportivas. Cada aluno da escola de tempo integral é inscrito em um projeto de acordo com suas necessidades ou disponibilidade de tempo.
Em setembro iniciou-se o Programa Minas Olímpica, fruto de convênio com o Estado de Minas Gerais e duração de dois anos, sendo contratados um profissional formado em Educação Física e dois estagiários. Serão atendidos alunos e alunas matriculados nas escolas do município com idade entre 7 e 12 anos.

Trabalho em parceria

Todo o sucesso do trabalho da Educação de Rio Doce se resume em uma palavra: PARCERIA.
Dentro das escolas, o trabalho de equipe é uma preocupação e objetivo constante.
Parceria efetiva com todos os outros segmentos da prefeitura e sociedade, tais como: Secretaria Municipal de Saúde, Secretaria Municipal de Assistência Social e o CRAS, Sociedade São Vicente de Paula, entre outros.
Uma parceria que tem alto índice de comprometimento e bem estar. Quando se trabalha feliz, o resultado só pode ser o melhor.

No ano de 2011 estão matriculados no Ensino Fundamental 395 estudantes, sendo 193 na rede pública estadual e 202 na rede pública municipal (o que significa todas as crianças do município). No que se refere ao Ensino Médio, o número de matriculados é de 137 estudantes na rede pública estadual. Na Educação Infantil registrou-se um total de 70 matriculados na rede municipal de ensino (também todas as crianças desta faixa etária).

Escola Municipal Coronel João José

Segundo fontes bibliográficas e orais, a Escola Municipal Coronel João José foi inaugurada em 12 de março de 1937, sendo uma das primeiras instituições de ensino da Vila de Santo Antônio do Rio Doce.
A razão do nome se deve ao fato do Coronel João José ter doado o terreno onde foi construída a edificação e ter sido uma personalidade influente nas atividades administrativas da Vila. Não foram encontrados dados que afirmassem de quem foi a iniciativa de construção da escola ou quem financiou as obras.
A Vila ainda era um distrito do município de Ponte Nova (sua emancipação só se deu em 1963), mas encontrava-se em franca expansão devido às atividades da linha ferroviária que ligava o Rio de Janeiro ao interior de Minas, recebendo novos habitantes que ocupavam áreas adjacentes à capela de Santo Antônio.
Desde o início, a instituição foi responsável pelas quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (turnos da manhã e tarde), além de hoje possuir turmas destinadas a Alfabetização de Jovens e Adultos (turno da noite, antigo MOBRAL). Durante o ano de 1996, a escola foi incorporada à Escola Estadual Maria Amélia, passando a se chamar Escola Estadual Coronel João José, porém em 1997, com o processo de municipalização do ensino, passou a ser chamada de Escola Municipal e ser de responsabilidade administrativa da Prefeitura. Desta forma, sempre foi uma instituição de ensino muito importante para os cidadãos riodocenses, o que motivou a reconhecer a edificação como patrimônio cultural do município.
A edificação da Escola Municipal Coronel João José possui linguagem estética permeada pelos estilos colonial e eclético. A implantação da edificação se deu de forma recuada, com afastamentos frontal, laterais e nos fundos. O terreno é plano o que permitiu a implantação da edificação em formato original de “U”, porém foram acrescidos novos ambientes com partido em “L”. O sistema construtivo empregado é a alvenaria de tijolos.
A edificação original possui um pavimento térreo, com acesso principal através de varanda seguida por um pequeno corredor que conduz ao pátio central da escola. O pátio, por sua vez, é ladeado por corredores que servem de circulação para as salas de aula, banheiros, secretaria e sala da diretoria. Na porção esquerda do terreno (fundos), foi ampliada a edificação, com dois pavimentos, que abrigam, na parte inferior, sala de aula, sala de informática e depósito e, na parte superior, mais três salas de aula. Defronte a edificação principal, foi construído o refeitório, com escovódromo (para os alunos aprenderem técnicas corretas de escovar os dentes), cantina e despensa.
A paisagem do entorno da Escola Municipal Coronel João José é marcada pela presença de arborização de grande e pequeno porte, com espécies frutíferas e ornamentais, além de jardim na porção frontal da edificação. A área descoberta é toda em cimento grosso. A rua pavimentada com bloquetes possibilita a passagem de até dois veículos simultaneamente e há passeio em cimento grosso com um metro de largura.
Em relação ao conjunto, a fachada e as laterais da edificação podem ser vistas. A volumetria da escola é uniforme em relação às construções adjacentes que possuem tipologia predominante permeadas pelos estilos colonial e eclético. Assim como toda a zona urbana, a Escola conta com os serviços públicos de abastecimento de água, eletricidade e esgoto.
A edificação foi submetida a intervenções de conservação, adequação e descaracterização ao longo do tempo. Em 1984 foi construído o pavimento térreo das novas salas (porção lateral esquerda) e o refeitório com cantina e despensa. Em 2004, ocorreram as obras do segundo pavimento da porção lateral esquerda, com acréscimo de novas salas. Em 2007 uma reforma geral do piso e telhados.
Este ano (2011) a reforma chegou ao telhado que ganhou laje e novas telhas. Nas salas de aula e outras dependências foram colocados ventiladores de teto e novas luminárias além de reforma da rede elétrica. Já pronto está um projeto de ampliação da EM Coronel João José a ser iniciado até o final do ano.

Futuro Promissor

Em ano de eleições por todo lado pululam debates e propostas para fazer avançar o Brasil. Candidatos e candidatas são unânimes em defender a Educação (assim mesmo, com maiúscula) como a “pedra de toque” para qualquer desenvolvimento – sustentável como requer o ecologicamente correto. Não há futuro risonho sem crianças e jovens bem preparados.
Diferente de outras políticas públicas a Educação exige tempo para apresentar resultados. É necessário qualificar os professores, cuidar das instalações físicas, alimentar e motivar os estudantes, enfim, é preciso investir, priorizar os investimentos. Assim aconteceu em Rio Doce. A Rede Municipal de Ensino recebeu o Boletim Pedagógico do SIMAVE/PROEB (Sistema Mineiro de Avaliação Escolar) com os resultados do 5° ano (antiga 4ª série) do Ensino Fundamental. Os testes, de Língua Portuguesa e Matemática foram aplicados no final de 2009 e os resultados excelentes.
Em Língua Portuguesa, a média mineira foi de 204,1; na 33ª Superintendência Regional de Ensino (SRE), onde se situa Rio Doce e mais 26 cidades, a média foi 209,4; Rio Doce ficou com 211,1. Participaram 97,9% dos alunos da nossa cidade.
O resultado na Matemática não foi diferente: a Escola Municipal Coronel João José de Rio Doce ficou com 227,8 de média. Bem acima da média de Minas Gerais (215,4) e da 33ª SRE (222,9).
Que leitura pode-se fazer desses resultados? A melhor e mais otimista possível. Rio Doce caminha a passos largos no âmbito da Educação, com um futuro ainda mais promissor.
Este é um trabalho realizado por uma grande equipe (não uma equipe grande) que busca a cada dia o aprimoramento do seu trabalho, que arregaça as mangas e busca – através da união, do respeito e da criatividade – o melhor para cada aluno e para todos de maneira geral. Por isso a EM Coronel João José já superou a meta de pontos prevista pelo SIMAVE para o ano de 2013.

A Biblioteca Francisca Pinheiro Martins está renovada, mais uma vez...

Cabe à Biblioteca Pública, um centro de formação e cultura, usar a informação e a leitura como instrumentos de crescimento pessoal e de transformação social. Essa instituição cultural, ao assumir este papel na comunidade, possibilita a construção de uma sociedade verdadeiramente democrática e a formar uma consciência crítica do indivíduo levando-o ao exercício pleno da cidadania.  
Esta administração, que vem desde 2001, em seus primeiros anos adquiriu com recursos da Prefeitura cerca de 2.200 livros. Também àquela época, as obras foram cadastradas e organizadas por profissional especialmente contratado para este fim. Com novas estantes, mesas e cadeiras colocadas à disposição dos seus usuários. Destes, os mais importantes sempre foram os jovens estudantes.  Para auxiliá-los em suas leituras e pesquisas tínhamos então, ali, duas professoras.
Sempre foi preocupação da administração pública de Rio Doce incentivar a leitura e o acesso às mais importantes obras da literatura nacional e internacional. Isto porque o cidadão bem informado e bem formado intelectualmente é o melhor cidadão. A disseminação do hábito de ler, bem orientada, cria uma população mais esclarecida, mais capaz de vontade própria, menos indiferente à vida nacional.
Com seu acervo e utilização sempre crescendo, o espaço físico da Biblioteca também teve de crescer e ela mudou de lugar. Saiu do primeiro andar do prédio da Prefeitura e veio para onde está, no térreo, mais perto de quem passa e pára para ler. Através de convênios diversos, tanto na esfera federal quanto na estadual, continua o trabalho de fazê-la mais rica e atraente. Livros recentes, revistas, jornais, novo mobiliário. Leitura para todos os públicos. Mais ainda, temos 12 computadores para de vez entrarmos no mundo digitalizado. Em Rio Doce a inclusão digital é uma realidade.
Mais que um lugar de silêncio e concentração – que continua sendo – a Biblioteca Francisca Pinheiro Martins funciona como um PONTO DE ENCONTRO. Local onde as pessoas podem vir expandir seus conhecimentos e trocar ideias. Ideias novas que sempre vão surgir com tantas informações disponíveis. Uma biblioteca popular, algo absolutamente necessário para o desenvolvimento da cultura riodocense.

Criada pela Lei nº. 157 de 18 de abril de 1970 atuam na Biblioteca Municipal Francisca Pinheiro Martins 3 funcionários, sendo duas do Ensino Superior e um funcionário do Ensino Médio.
Possui área aproximada de 61,60 m² e tem capacidade para realização de cursos e oficinas com espaço para acomodação de 30 pessoas.
Dentre as atividades realizadas destacamos a motivação dos leitores para com a leitura de jornais, empréstimos de livros, revistas e gibis.
Constitui uma atração do público infantil o acesso à área infantil (cantinho infantil).
A Biblioteca Municipal conta com um acervo aproximado de 4901 itens, sendo distribuídos entre literatura para adultos, infantil, infanto-juvenil e obras de referência dentre as quais o acervo audiovisual. (CD, DVD, e CDROM), um destaque importante foi a reforma recentemente realizada no espaço físico da biblioteca sendo construído um piso superior, onde se encontra em andamento a implantação do Telecentro com 11 computadores à disposição dos usuários da biblioteca.
O acervo encontra-se registrado em caderno apropriado, não informatizado.
A média mensal de empréstimos em 2010 foi de 21 livros/mês. A biblioteca atende um público mensal aproximado de 125 leitores/mês.
Dentre os projetos realizados nesta biblioteca estão a assinatura de jornais e revistas.

Vânia Leandro – Funcionária da Biblioteca Municipal Francisca Pinheiro Martins

Revistas

A partir do mês de fevereiro o Ministério da Cultura passou a distribuir a 7.000 Pontos de Leitura, Pontos de Cultura e Bibliotecas Públicas, sem ônus para o destinatário, 12 revistas. Estas publicações foram selecionadas devido ao seu conteúdo focado prioritariamente na área da Cultura, Sociedade, Artes, Políticas e Economia.
A seleção, que resultou num investimento total de R$ 5,2 milhões por parte do Governo Federal, pretende popularizar materiais de leitura, estimular o hábito e despertar o pensamento crítico, disponibilizando publicações com conteúdos diversificados e de qualidade a populações urbanas e rurais, freqüentadoras de espaços culturais públicos.
A Biblioteca Municipal Francisca Pinheiro Martins de Rio Doce receberá de fevereiro de 2011 a janeiro de 2012 as seguintes publicações (revistas:) Brasileiros, Cult, Viração, Rolling Stone, Raça Brasil, Piauí, Fórum, Carta na Escola, Le Monde Diplomatique Brasil, Caros Amigos, Jornal Rascunho, Almanaque Brasil de Cultura Popular.

Realidade atual

A Rede Municipal de Ensino de Rio Doce funciona atualmente mantendo duas escolas: Escola Municipal Professora Lucília Lobo Pereira Martins – Educação Infantil e Escola Municipal Coronel João José – Ensino Fundamental I e Educação de Jovens e Adultos – EJA. Ambas as escolas desenvolvem seus trabalhos privilegiando o ensino enquanto construção do conhecimento, o desenvolvimento pleno das potencialidades do aluno e sua inserção no ambiente social utilizando, para isso, os conteúdos curriculares da base nacional comum e os temas transversais, trabalhados em sua contextualização.

Os profissionais que trabalham diretamente com os educandos como os professores e possuem habilitação específica para a função. Já os demais possuem formação necessária para a função desempenhada.

A Rede Municipal de Ensino tem como objetivo geral a promoção da formação integral do educando, desenvolvendo suas potencialidades para o exercício da cidadania, fornecendo-lhe meios para progredir no trabalho e estudos posteriores. Dessa forma as escolas proporcionam aos alunos projetos extracurriculares nos quais visam: a compreensão do ambiente natural e social, o desenvolvimento da capacidade de aprendizagem, objetivando a aquisição de conhecimentos e habilidades e a formação de atitudes e valores religiosos, cívicos e de cidadania; a articulação com a família do educando, proporcionando ao mesmo, que não pôde efetuar os estudos na idade regular, oportunidades educacionais apropriadas, consideradas as características do aluno, seus interesses, condições de vida e de trabalho.

Além disso, as escolas oferecem aulas extras, turno de reforço e está no Programa de Intervenção Pedagógica – Alfabetização no Tempo Certo – PIP/ATC, bem como no Pacto pela Alfabetização na Idade Certa, procurando sempre ajudar seu aluno alcançar o sucesso na aprendizagem e assumindo o compromisso de acabar com o analfabetismo em nosso município.

Compartilhe nas Redes Sociais: